Variante Lambda tende a se tornar “cepa preocupante”, dizem estudos

Organizadores das Olimpíadas decidem vetar público dos jogos
8 de julho de 2021
“Temos provas cabais no caso Covaxin”, diz Simone Tebet
8 de julho de 2021

Variante Lambda tende a se tornar “cepa preocupante”, dizem estudos

Ouça a matéria aqui!

A Lambda, uma das variantes recentemente catalogadas do coronavírus, ainda é tida como incógnita para os cientistas. Mas estudos preliminares indicam que ela tende a se tornar uma cepa “preocupante”, assim como a Delta.

A Lambda é conhecida formalmente como C.37. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a 1ª amostra da variante foi coletada no Peru, em agosto de 2020.

Ela está presente em pelo menos 29 países e se tornou expressiva na América do Sul. O Blog apresenta a seguir um resumo das principais informações disponíveis sobre a variante Lambda.

A Lambda tem a glicoproteína “spike” (também chamada de proteína S) diferente daquela observada na cepa original do SarS-Cov-2 e de outras variantes já detectadas. É uma estrutura que fica na parte externa do vírus e se relaciona à forma como o patógeno “entra” nas células do organismo humano.

A proteína S também é o principal alvo dos anticorpos na hora de neutralizar o coronavírus, de acordo com estudo publicado na Nature.

A variante detectada no Peru sofreu 7 mutações no gene responsável pela proteína S, de acordo com estudo preliminar financiado pela Universidade Maior do Peru. A Lambda também apresenta um fator comum às variantes Alfa, Beta e Gamma: “perdeu” o gene ORF1a, que fica na parte inicial dos genes do coronavírus.

O que dizem os especialistas

A comunidade científica ainda investiga como a configuração da glicoproteína S impacta na interação da Lambda com anticorpos.

A Faculdade de Medicina da Universidade do Chile analisou a resposta imune da CoronaVac contra diferentes variantes do coronavírus. Os resultados preliminares indicam que a Lambda é mais resistente aos anticorpos da vacina.

Um estudo norte-americano, também preliminar, chegou a uma conclusão parecida: a eficácia de anticorpos contra a Lambda é inferior. Mas os pesquisadores ressaltam que a “resistência parcial” aos anticorpos “não deve causar queda significativa na proteção”. Ou seja, embora a Lambda apresente certa resistência a vacinas, elas ainda são eficazes contra a variante.

Onde a Lambda está presente

O painel da Gisaid é uma iniciativa que monitora a presença de variantes do coronavírus nos países. O painel identificou 2.259 casos confirmados da Lamba em 29 países. O último diagnóstico foi registrado na Gisad em 26 de junho.

A tabela abaixo apresenta o número de diagnósticos em cada país e a proporção que representam nos casos das últimas 4 semanas:

Os pesquisadores identificaram a expansão da Lambda na América do Sul mesmo com a circulação da Alfa e da Gamma, linhagens mais “fortes” do coronavírus. Isso sugere que a Lambda também seja mais infecciosa. Mas os cientistas alertam que mais estudos precisam ser feitos nesse sentido.

Em abril, a Lambda se tornou responsável por 97% dos casos identificados no Peru. A porcentagem considera apenas os diagnósticos com informações genéticas disponíveis, ou seja, aqueles em que é possível determinar a qual variante pertencem.

Os percentuais apresentados na imagem também são do estudo preliminar da Universidade Maior do Peru.

Variante de interesse x variante “preocupante”

A OMS tem diferentes classificações para as cepas de coronavírus. Uma variante de “interesse” é aquela que, na comparação com o coronavírus original, pode ser mais infecciosa, mais resistente a vacinas ou provocar casos mais graves de covid-19.

Quando um ou mais desses fatores ficam comprovados, a variante é considerada “preocupante”.

A OMS classificou a Lambda como “variante de interesse” em 15 de junho deste ano. Pesquisadores brasileiros do Inpra (Instituto Nacional de Pesquisas em Resistência a Antimicrobianos) consideram que a Lambda tem “potencial para se tornar uma variante preocupante” devido à velocidade com que se propaga na América Latina.

A Gisaid calcula que a Lambda é registrada em 6,3% dos diagnósticos da América do Sul. O percentual é superior ao da Delta (4,6%) e da Beta (0,2%), variantes “preocupantes” do coronavírus. Atualmente, a Gamma predomina no continente, sendo identificada em 71,3% dos casos.

Eis o mapa mais recente da OMS, de 6 de julho, indicando os países com circulação das variantes consideradas preocupantes:

Blog resume as informações das principais cepas já identificadas do novo coronavírus:

Visualizações: 41

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *