Secom de Bolsonaro é representada no MP por apologia armamentista no Dia do Agricultor

Parciais não mostram ‘inversões’ entre Dilma e Aécio apontadas por Bolsonaro
30 de julho de 2021
Como análises matemáticas afastam hipótese de fraude nas urnas, ao contrário do que diz Bolsonaro
30 de julho de 2021

Secom de Bolsonaro é representada no MP por apologia armamentista no Dia do Agricultor

Ouça a matéria aqui!

A repercussão negativa da postagem feita pelo governo Bolsonaro para celebrar o Dia do Agricultor, com uma foto que mostra um homem armado, não ficou só nas notas de repúdio.

Nesta quinta-feira (29), o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) entrou com uma representação na Procuradoria da República do Distrito Federal solicitando que o ato seja investigado por improbidade administrativa.

A postagem foi feita pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom). Nela, a foto de um homem segurando um rifle representaria o “agricultor”.

“Hoje homenageamos os agricultores brasileiros, trabalhadores que não pararam durante a crise da Covid-19 e garantiram a comida na mesa de milhões de pessoas no Brasil e ao redor do mundo”, dizia a legenda da publicação.

Diante da reação de internautas, políticos e entidades que representam a agricultura, a Secom decidiu apagar a imagem. Questionada pela Fórum sobre o motivo pelo qual excluiu a foto, a secretaria se enrolou. “A imagem utilizada anteriormente, em referência à segurança no campo, deu margem a interpretações fora do contexto”, disse em nota.

“Governo miliciano de Bolsonaro é covarde também. Depois de a Secom comemorar o dia do agricultor com a imagem de um jagunço armado e merecer o repúdio unânime, retira o post que é propaganda subliminar do armamentismo do genocida. Respeite o trabalhador rural seu criminoso”, declarou Ivan Valente.

Apesar da postagem não estar mais disponível, o congressista considera que a Secom “extrapolou os limites estabelecidos pela legislação, uma vez que não possui como objetivo orientar ou educar a população, mas sim de disseminar a violência no campo”.

Segundo o parlamentar, a publicação faz “apologia à política armamentista” defendida por Jair Bolsonaro e, por extrapolar os limites constitucionais de sua atuação, a publicação da Secom incorreria em improbidade administrativa.

“O Governo Federal, a pretexto de homenagear os agricultores, lança mão de recursos públicos para atentar contra o interesse público, fomentando a violência no campo, onde os conflitos já são elevados em todo o país”, escreve Ivan Valente na ação.

Armamentismo e violência no campo

Para embasar a representação no MP, Ivan Valente citou dados e informações que mostram o aumento da violência no campo durante o governo Bolsonaro.

Importante lembrar que o Presidente da República já vem, há muito tempo, deixando claro suas prioridades e opiniões com relação à posse de armas no Brasil. No ano passado, foi emblemático ao afirmar seu desejo de que ‘o povo se arme, que é garantia que não vai ter um filho da puta pra impor uma ditadura aqui, que é fácil impor uma ditadura, facílimo’”.

“Conforme levantamento realizado com os registros de todas as ocorrências de conflitos registrados durante o ano passado nas zonas rurais do Brasil, os números são assustadores: de acordo com a CPT, os episódios de violência nunca foram tão altos e os números são os maiores dos últimos 35 anos. Foram registradas 2.054 ocorrências em 2020, um aumento de 8% em relação a 2019. Esse é o maior número de ocorrências de conflitos no campo já
registrado pela organização desde 1985″, pontua ainda o psolista.

Visualizações: 88

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *