Home Política2022 Rafael Motta afirma que situação já é de uma federação PT-PSB no RN

Rafael Motta afirma que situação já é de uma federação PT-PSB no RN

Por AdrianoSantos
0 comentário 16 visualizações

A ideia aprovada pelo deputado potiguar tem ampla maioria entre parlamentares socialistas

O deputado federal e presidente estadual do PSB, Rafael Motta, afirmou com exclusividade ao Blog, nesta sexta-feira 7, sobre a possível federação formada entre o PT e o seu partido – o PSB. Motta foi enfático ao afirmar que, no Rio Grande do Norte, as duas legendas já vivem praticamente em uma federação partidária. Recentemente, assim como informou a colunista Mônica Bergamo da Folhapress, a bancada de deputados federais socialistas se reuniu para discutir a possibilidade de se unir em uma federação com o PT.

“A federação é uma evolução das coligações partidárias, na qual os partidos se unem para além do período eleitoral, compartilhando o mandato durante os quatro anos seguintes. Por isso, eu fui favorável à sua criação quando da deliberação na Câmara dos Deputados e no partido. A possível formação de uma federação entre o PT e o PSB vai formalizar uma situação que já vivemos no Rio Grande do Norte”, frisou Rafael.

A ideia aprovada pelo deputado tem ampla maioria dos parlamentares e deve aumentar a pressão sobre o presidente do partido, Carlos Siqueira, para que viabilize a aliança. “Por ela, os dois partidos unem forças em todos os estados do país para conquistar votos para as assembleias estaduais, Câmara dos Deputados e Senado. Apoiam chapas únicas para os governos estaduais – e fazem campanha para Lula à Presidência”, escreveu Mônica Bergamo.

Para o deputado federal Marcelo Freixo (RJ) que, junto com o governador do Maranhão Flávio Dino, se filiou ao PSB em junho de 2021, a federação aumenta a chance de fortalecer a Câmara Federal e as Assembleias Legislativas.  “A posição de líderes regionais é compreensível. Mas nada deveria ameaçar a possibilidade de caminharmos [PT e PSB] juntos em uma federação. A federação é a melhor forma de elegermos mais deputados do campo de centro-esquerda. Ela fortalece as disputas aos governos estaduais. E cria governança para os eleitos”, disse o pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro à Folhapress.

O endurecimento de Carlos Siqueira nas negociações com o PT pode inviabilizar a federação, o que preocupa os parlamentares. Siqueira tem exigido que o PT retire candidaturas a governos estaduais em diversos estados, como São Paulo, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Pernambuco, Acre e Rio de Janeiro, para, só então, avançar em um acordo. Além disso, os socialistas indicariam o candidato a vice de Lula – Geraldo Alckmin foi lançado ao cargo pelo ex-governador de São Paulo Márcio França e amplamente aceito no PT, apesar de críticas pontuais.

O PT resiste à pressão para retirar todas as candidaturas, especialmente a de Fernando Haddad em São Paulo. E reagiu lançando pré-candidatos ao governo em estados-chave para o PSB, como o senador Humberto Costa em Pernambuco, o maior reduto hoje dos socialistas, que comandam o estado e a prefeitura de Recife. Além dele, o PT filiou o senador Fabiano Contarato no Espírito Santo. Ele é um candidato potencial ao governo. E, no Rio Grande do Sul, mantém a pré-candidatura de Edegar Pretto, que aparece na frente de Beto Albuquerque, do PSB, nas pesquisas eleitorais.

A posição dos deputados evidencia a divisão do PSB: lideranças regionais do partido defendem que Carlos Siqueira siga endurecendo com o PT para arrancar concessões dos petistas nos estados. A aliança, no entanto, é defendida pela maioria dos diretórios estaduais. Em uma reunião com Carlos Siqueira, 18 diretórios votaram a favor da federação, contra cinco que foram contrários: Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso não querem estar ao lado do PT. Tocantins é contra a formação de qualquer federação. O Rio Grande do Norte, como colocou o deputado Rafael Motta, está entre os 18 que apoiam a federação PT-PSB.

Federações partidárias devem durar, pelo menos, os quatro anos do mandato

Vale ressaltar que a Lei permite que partidos se unam em federações e atuem como se fossem uma só legenda por quatro anos. Elas são formadas por partidos que têm afinidade programática e duram pelo menos os quatro anos do mandato. Se algum partido deixar a federação antes desse prazo, sofre punições, tais como a proibição de utilização dos recursos do Fundo Partidário pelo período remanescente.

Outro ponto que se deve ressaltar é que as federações devem ter abrangência nacional, ao contrário do regime de coligações, que têm alcance estadual e podem variar de um estado para outro. Com relação a fidelidade partidárias, a lei prevê que todas as questões de fidelidade partidária que se aplicam a um partido se aplicam também à federação — o que significa que, se um parlamentar deixar um partido que integra uma federação, ele estará sujeito às regras de fidelidade partidária que se aplicam a um partido político qualquer.

Também chama à atenção a questão da afinidade ideológica, como as federações preveem uma união por todo o mandato, os partidos se unirão a outros com os quais tenham afinidade ideológica, reduzindo o risco de um eleitor ajudar a eleger um candidato de ideologia oposta. Então, para uma possível formação de federação, todas as questões colocadas devem ser levadas em consideração tanto pelo PSB, quanto pelo PT.

Related Articles

Deixe um comentário