Presidente da CPI reage a decisão do STF sobre Pazuello: “É uma pena”

Bolsonaro diz que Lula só será eleito em 2022 se houver fraude
maio 15, 2021
Governo reduz teor do biodiesel misturado ao óleo diesel no 80º Leilão
maio 15, 2021

Presidente da CPI reage a decisão do STF sobre Pazuello: “É uma pena”

Ouça a matéria aqui!

O presidenente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), lamentou em seu perfil do Twitter, nesta 6ª feira (14.mai.2021), a decisão que libera o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello a não responder perguntas que não quiser durante seu depoimento na próxima 4ª feira (19.mai.2021).

A decisão é do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski, que concedeu, em parte, o habeas corpus solicitado para o ex-ministro.

“É uma pena. O Supremo que ordenou que o Senado abrisse a CPI é o mesmo que tira a oportunidade de um ex-ministro da Saúde esclarecer os fatos. E justamente o que mais tempo ficou no Ministério da Saúde durante a pandemia, que poderia ter ordenado a compra de vacinas.”

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), postou que a decisão do Supremo não atrapalha as investigações. Segundo ele, a ideia já não era que Pazuello se incriminasse.

A instalação da comissão atende a ordem do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso. Em 8 de abril, ele determinou que o Senado instalasse para apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu na 3ª feira (13.abr) que a CPI da Covid-19 deverá investigar o dinheiro federal que foi para cidades e Estados, além das omissões do governo federal no combate à doença.

Juntaram-se os pedidos de CPI de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), com o governo federal como alvo, e de Eduardo Girão (Podemos-CE), que investiga ilícitos com dinheiro federal em todas as esferas.

O presidente Jair Bolsonaro havia criticado o alcance da CPI e defendido sua ampliação para também investigar governadores e prefeitos.

O requerimento de instalação de uma CPI que investigasse União, Estados e municípios teve mais de 40 assinaturas de senadores. O regimento interno do Senado, no entanto, veda a criação de CPIs para investigar assuntos estaduais.

O STF garantiu nos últimos 20 anos que pelo menos 12 depoentes tivessem direito ao silêncio em CPIs. As decisões foram tomadas por colegiados e se referem a 10 CPIs distintas.

A informação consta do sistema de dados da Corte e há outras decisões individuais, isso é, não colegiadas as quais não foram catalogadas.

Na 5ª feira (13.mai.2021), a AGU (Advocacia Geral da União) apresentou à Corte um pedido de habeas corpus para que o ex-ministro da Saúde pudesse ficar em silêncio durante seu depoimento na CPI da Covid no Senado.

O texto elaborado pela AGU baseia-se no fato de Pazuello ser investigado em um processo sobre sua atuação no Ministério da Saúde durante a crise de saúde pública em Manaus, no início do ano. O caso está na 1ª Instância na Justiça de Brasília.

Outras reações

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), publicou que recebeu a decisão com tranquilidade: “É assim que funciona a democracia”. Ele também destacou que a decisão do STF determina que  o ex-ministro responda à perguntas sobre terceiros, desde que não fira os direitos concedidos, com a obrigação de revelar tudo o que souber e tiver ciência.

“Por outro lado, no que concerne a indagações que não estejam diretamente relacionadas à sua pessoa, mas que envolvam fatos e condutas relativas a terceiros, não abrangidos pela proteção ora assentada, permanece a sua obrigação de revelar, quanto a eles, tudo o que souber ou tiver ciência, podendo, no concernente a estes, ser instado a assumir o compromisso de dizer a verdade”, diz parte da decisão compartilhada por Randolfe.

Leia falas de senadores a respeito do habeas corpus concedido a Pazuello:

Visualizações: 144

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *