Polícia Federal prende no Paraná suspeito de assassinar policial penal federal em Mossoró em 2017

Caicó e São Gonçalo do Amarante anunciam vacinação para pessoas abaixo dos 60 anos sem comorbidades
junho 9, 2021
Deputado Ezequiel Ferreira prepara terreno que poderá levá-lo ao Senado
junho 9, 2021

Polícia Federal prende no Paraná suspeito de assassinar policial penal federal em Mossoró em 2017

Ouça a matéria aqui!

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira 8 a Operação Ebenézer e prendeu em Curitiba/PR, um homem de 43 anos, suspeito de ser o autor do homicídio que vitimou o policial penal federal Henri Charlie Gama e Silva, morto em abril de 2017, na cidade de Mossoró/RN.

Na operação foram mobilizados policiais federais de Brasília, Mossoró e Curitiba visando dar cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela 8ª Vara Federal de Mossoró.

À época dos fatos, o policial penal Henri Charlie estava em um bar próximo a sua residência, em Mossoró (RN), quando um indivíduo desceu de um veículo e atirou em sua direção. Atingido pelas costas, ele ainda assim conseguiu correr, mas foi alcançado pelo autor dos disparos. O crime teria sido arquitetado por uma facção criminosa paulista e contou com a infiltração de uma empregada doméstica na residência da vítima.

Quando do prosseguimento das investigações ficou demonstrado que o acusado estaria vivendo com nome falso na capital paranaense, onde acabou sendo localizado.

Força-Tarefa

Este foi mais um trabalho concluído com êxito pela Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado em Mossoró (FT-NUDEM), coordenada pela Polícia Federal e composta por policiais federais, policiais civis, policiais militares e policiais penais federais e estaduais, atuando em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI).

A Força-Tarefa disponibiliza e conta com a colaboração da população pelo telefone (84) 3323.8300, bem como pelo WhatsApp (84) 9218.0326, que são os canais indicados para recebimento de informações, denúncias de crimes, etc, sendo o sigilo do denunciante plenamente preservado.

Visualizações: 32

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *