Operação da Polícia Civil para combater falsos agentes da segurança pública na Grande Natal apreende armas

Petrobras eleva de uma só vez preço da gasolina, diesel e botijão de gás; altas chegam a 6,32%
6 de julho de 2021
Desaprovação de Bolsonaro atinge recorde e vai a 63%, diz CNT
6 de julho de 2021

Operação da Polícia Civil para combater falsos agentes da segurança pública na Grande Natal apreende armas

Ouça a matéria aqui!

Policiais civis da Delegacia Municipal de Macaíba deram continuidade, nesta segunda-feira 5, à Operação “SETH” – que visa investigar e desarticular a ação de grupos criminosos armados que têm atuado na cidade de Macaíba e circunvizinhas, praticando crimes como homicídios e roubos nas propriedades rurais, além de outras violências nas áreas urbanas, em alguns casos se passando por agentes de segurança pública.

A ação desta segunda-feira foi um desdobramento da prisão de Hiago Filipi Morais Sousa, 29 anos, ocorrida na sexta-feira 2, quando foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e receptação, tendo sua prisão preventiva decretada pela Justiça. No local das diligências, uma fazenda em São Gonçalo do Amarante, onde um grupo fazia vigilância armada irregular, foram apreendidos: uma espingarda calibre 12, uma pistola calibre 380, dois carregadores de calibre 380, 28 munições calibre 12, 14 munições calibre 380 e uma munição calibre .40. Todo esse material foi confirmado como sendo de Hiago Filipi e demais membros do grupo criminoso, que também já foram identificados pelos policiais.

A Polícia Cvil pede que as vítimas que reconhecem o suspeito como autor de crimes procurem a Delegacia de Macaíba o mais breve possível ou entrem em contato de forma anônima pelo Disque Denúncia 181 ou pelo número da Delegacia Municipal de Macaíba (84) 98114-4042 (WhatsApp).

Operação “SETH”

O nome da operação remete à mitologia egípcia, na qual SETH é apontado como o deus da confusão, da desordem e da perturbação, tendo como características a fúria, a crueldade, o sofrimento e outras negatividades. Os possíveis crimes praticados por esses grupos investigados, embora alguns deles se intitulem como justiceiros, podem ter tido motivações como “ciúmes”, “discussões banais”, “domínio de territórios”, “queima de arquivos” e outras vaidades, provocando desassossego social.

Visualizações: 49

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *