Laudos falsos de comorbidades são vendidos no país de R$ 20 a R$ 250

Bebê de 5 meses morre de Covid após ter 80% dos pulmões comprometidos
maio 29, 2021
Polícia Civil prende condenado por estupro de vulnerável em São Gonçalo do Amarante
maio 29, 2021

Laudos falsos de comorbidades são vendidos no país de R$ 20 a R$ 250

Ouça a matéria aqui!

Com início da vacinação contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2) de pessoas com comorbidades em vários estados e cidades do país, grupos especializados em falsificar atestados médicos proliferam nas cidades e agem às claras em redes sociais atrás de clientes que anseiam furar a fila da imunização. O Metrópoles acompanhou esse comércio ilegal e conseguiu flagrar vendas de laudos falsos de comorbidades a valores que variam entre R$ 20 e R$ 250.

As negociações são feitas nos centros das grandes capitais, em meio ao vai e vem dos transeuntes ou por meio de aplicativos de conversas, onde técnicas são usadas para que o cliente não suma sem pagar. Com o avanço dos esquemas e a grave interferência no Plano Nacional de Imunização (PNI), conselhos regionais de medicina (CRMs), Ministério Público (MP) e polícias do país se mobilizam para investigar as denúncias de fraudes.

Laudos falsos de comorbidades são vendidos no país de r$ 20 a r$ 250

O Metrópoles entrou em contato com várias perfis que vendem atestados médicos no Facebook. Com um deles, conseguiu acompanhar todo o processo de compra até o recebimento do PDF de um documento falsificado. Custou R$ 80, e chegou ao comprador personalizado, com nome, cidade e a falsa comorbidade do paciente; endereço e logo do hospital onde teria sido realizado o exame; e até o carimbo de uma médica, com registro no Conselho Regional de Medicina ativo desde 2007.

A assinatura deve ser forjada à caneta, pelo próprio “paciente”, após imprimir o laudo, segundo a orientação do vendedor. “Vc q escolhe”, disse o comprador, após ser questionado sobre qual comorbidade poderia se colocar no falso atestado. Em seguida, ele manda o exemplo de um documento produzido. “A clinica ou hospital vc tbm escolhe. Na hora vc so me passa os dados”, prosseguiu o homem. A grafia foi mantida como nas mensagens trocadas entre comprador e fornecedor.

A compra foi fechada. O vendedor, que em nenhum momento se identificou, informa que irá fazer o atestado após finalizar um outro. Após cerca de 40 minutos, aparece com a imagem de um laudo personalizado e pede para o cliente conferir as informações. Essa foto vem com uma marca d’água com os dizeres “atestado falso”, para evitar com que o cliente saia sem pagar, uma vez que a negociação é feita de forma on-line.

A ideia é que o “paciente” veja se está tudo certo, se aprova o que receberá, e aí pague. Após receber a aprovação do comprador e, depois, a transferência bancária, o suspeito encaminha o documento (PDF), desta vez sem a marca d’água – ou seja, pronto para ser impresso – via WhatsApp ou e-mail.

O dinheiro caiu na conta de José Fabio Nunes Lima. Trata-se de um morador da Vila Cordeiro, bairro nobre da zona sul de São Paulo (SP). Nasceu em Santa Terezinha, no interior de Pernambuco, e tem 32 anos. O Metrópoles confirmou a identidade dele junto à Receita Federal e ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP). Já a localidade do suspeito foi confirmada pelo Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), que apurou que a conta de destino fica na capital paulista.

José Fabio tem um dia a dia aparentemente corrido no bairro onde atua, na Vila Cordeiro. Quando o comprador fez uma ligação ao telefone dele, na tarde dessa quinta-feira 27, quem respondeu foi uma mulher, que se identificou como “secretária Laís”. Ela é encarregada de anotar os pedidos, que parecem ser muitos. “Quer atestado, né?! Ele [José Fábio] deu uma saidinha. Quer deixar algum recado?”, indagou a suposta secretária.

Questionada sobre a volta de José Fabio, a mulher diz que ele voltaria dentro de uma hora e trabalharia “até umas 19h, 20h”. No entanto, poucos minutos após o comprador encerrar a ligação, o suspeito retornou a chamada, mas com um DDD do interior paulista. O vendedor de atestados falsos salientou que Laís fez a ponte entre as duas partes. Ele titubeia e se apresenta como “Rodrigo”, mas logo volta atrás e garante que seu nome é “José Rodrigo”.

Após acompanhar a consumação da compra, a reportagem ligou ao vendedor e questionou sobre a venda ilegal de documentos para a vacinação contra Covid-19. O homem desconversou, ficou em silêncio por alguns segundos e, finalmente, respondeu: “Não, eu não vendo, atestado, amigo”. Desligou o telefone e, em seguida, bloqueou o contato.

O advogado criminalista David Metzker, sócio da Metzker Advocacia, explica que a pessoa que compra atestado médico adulterado poderá incorrer no crime de uso de documento falso, previsto no artigo 304 do CP. A pessoa que edita e produz o laudo, como fez José Fabio, poderá responder por crime de falsificação de documento particular, previsto no artigo 298, com pena de 1 a 5 anos. “Caso o documento seja verdadeiro em sua forma, mas as informações, falsas, o crime será de falsidade ideológica”, prosseguiu o especialista.

“Tenho de comorbidade e de teste rápido”

O Metrópoles participou diretamente de outras duas negociações, com outros vendedores de atestados médicos falsos para furar a fila da vacina contra a Covid-19, também expostos no Facebook, mas não consumou a compra. Um deles cobrou R$ 250. “Nosso envio é por PDF. Precisa de nome completo, cidade, e-mail e data de nascimento”, assinalou.

O vendedor afirmou que a transferência deveria ser realizada via Pix e, para garantir a confiança do cliente, enviou prints de 11 conversas com supostos clientes que demonstraram satisfação com o trabalho realizado. “Chegou!!! Perfeito. Muito obrigada e boa noite”, agradeceu uma mulher, em uma das imagens enviadas pelo vendedor.

Neste caso, o homem criou um e-mail próprio para a fraude, com os dizeres “atestado” no endereço. É o mesmo para onde se transfere o Pix, que vai parar na conta de Jefferson Vicente de Oliveira.

Na mesma rede social, o Metrópoles também entrou em um grupo privado e abriu contato com o seu criador, que promete atestado médico com “registro no sistema e cadastro em prontuário”. Por estar, teoricamente, menos exposto, ele usa o perfil pessoal, onde compartilha outros conteúdos, para realizar a negociação. O nome que consta na página dele é Ramon Maia, que se diz morador do Rio de Janeiro e servidor do Exército Brasileiro (EB).

“Trabalho com Atestado Público do SUS com Registro no Sistema e Cadastro em Prontuário. No caso, Clínica da Família”, diz Ramon, logo após se apresentar. Questionado se faz o atestado de comorbidade para se vacinar, ele responde que sim e acrescenta: o do “teste rápido” também. “Caso queira fazer o pedido, vou precisar de alguns dados”, prossegue ele.

Diferentemente dos outros vendedores, porém, ele pede a foto da carteira de identidade (RG) do paciente. “[O RG] É preciso para fazer o Registro e o Cadastro no Sistema lá da Clínica da Família. Caso a Empresa precise ligar para verificar junto ao Órgão de Saúde. Entendeu?”, escreve.

Custa R$ 80. O Pix cai na conta de Antônia Manuela Leite da Silva. Segundo Ramon, ela é a “menina da clínica que faz o procedimento”. “Ela que faz o procedimento. Eu faço as indicações e as entregas via e-mail”, detalhou à reportagem, que não se identificou.

O Metrópoles apurou que ela também mora no Rio de Janeiro, segundo informações do Portal da Transparência do governo federal, e, inclusive, é beneficiária do programa Bolsa Família. Além disso, recebeu, em 2020, ao menos cinco parcelas do auxílio emergencial, criado para financiar famílias de baixa renda durante a grave crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

Desconto por “mais clientes”

Em Goiás, não foi difícil achar quem providenciasse um laudo médico ilegal para furar a fila da vacina contra a Covid-19. Durante busca rápida pela internet, a reportagem encontrou um site com várias orientações para o cliente que deseja comprar o laudo adulterado, incluindo informações sobre a legislação trabalhista e o que verificar ao receber um atestado médico.

“Em primeiro lugar, é fundamental avaliar se o documento é legítimo, de acordo com as especificações legais. Para isso, o responsável deve conferir se todas as informações obrigatórias, que listamos acima neste texto, estão presentes. Os principais dados também devem ser conferidos, como o número do CRM do médico”, diz um dos textos.

No endereço eletrônico, um link leva o cliente diretamente a uma conta comercial no WhatsApp, com prefixo 62, de Goiás. O Metrópoles entrou em contato e foi rapidamente respondido por uma pessoa que faz a intermediação dos laudos. Muito atenciosa e sem nenhum tipo de dificuldade, a vendedora confirma que também é possível comprar um atestado médico de comorbidade para que seja utilizado na vacinação contra Covid-19.

O valor individual de cada atestado é R$ 200, mas, caso um grupo maior de pessoas se interesse, o valor pode cair para R$ 180. Segundo o intermediador, o “laudo é detalhado assinado e carimbado com CRM ativo”.

De forma ágil e sem entraves, o pagamento pode ser feito por Pix, com prazo de 1h30 para o envio da cópia do documento por e-mail. Ainda na conversa, a atendente questionou a reportagem de que cidade seria. Ao responder Goiânia, a pessoa afirmou ao Metrópoles que ainda não havia recebido o formulário específico da capital, mas que conseguiria para Aparecida de Goiânia, na região metropolitana. No mesmo instante, o formulário padrão foi encaminhado.

O comércio de falsos atestados médicos também rola solto na região da Praça da Sé, em São Paulo. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a oferta acontece na frente de policiais militares. O kit completo sai por R$ 220, e inclui o atestado com a suposta doença e receituário de medicamento usado. Nessa situação, o vendedor, que se apresentou como Rogério, afirmou que o atestado vem com o nome completo do suposto paciente, número da Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID), além da assinatura e carimbo de uma médica registro no Conselho Regional de Medicina “quente”. A reportagem, porém, não finalizou a compra.

Clínicas especializadas

Sobre a fraude envolvendo falsos atestados de comorbidades produzidos por médico, o diretor da Coordenação de Repressão às Fraudes (Corf) da Polícia Civil do DF (PCDF), delegado Wislei Salomão explicou sobre as incidências penais envolvendo as fraudes. “Se o médico emite um atestado falso, ele responde por crime de falsidade de atestado médico, que tem pena de 1 mês a 1 ano de prisão. Claro, se o caso, de fato, envolver um médico”, detalhou ele.

Se o golpe envolver atestado falsificado produzido por médico de órgão público, como hospital ou posto de saúde, a pena é mais alta: de 2 a 6 anos de reclusão. “Se a falsificação for de um atestado de um médico particular, a pena é de 1 a 5 anos. É preciso destacar que, se alguém, no momento da vacinação, apresentar falso laudo de comorbidade, pode ser preso em flagrante pelo crime de uso de documento falso . A pena é de reclusão de 1 a 6 anos”, finalizou.

O secretário de Saúde do Distrito Federal, Osnei Okumoto, disse que ainda não recebeu denúncias sobre atestados que não condizem com a verdade sobre a comorbidade das pessoas que se apresentam para vacinar. De acordo com ele, quando isso ocorrer, será encaminhado para investigação policial e do Ministério Público do DF.

No Rio de Janeiro, duas pessoas foram presas nessa quinta-feira, em Pilares, na zona norte do Rio de Janeiro (RJ), acusadas de vender atestados médicos falsos para que golpistas furem a fila de vacinação contra a Covid-19. As prisões foram realizadas pela Delegacia de Defraudações (DDEF), na clínica onde trabalhavam. Os suspeitos foram identificados como o Sérgio Mendes Izidoro, que é médico, e Augusto Guedes de Carvalho Filho, apontado como dono da clínica. Cada atestado falso era vendido por R$ 20.

Visualizações: 115

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *