Jornalista da CNN Brasil é hostilizado em ato pró-Bolsonaro no Rio

Covid-19: Brasil registra 860 mortes em 24 h e óbitos se aproximam de 450 mil
maio 23, 2021
General da ativa, Pazuello é criticado por participar de marcha pró-Bolsonaro
maio 23, 2021

Jornalista da CNN Brasil é hostilizado em ato pró-Bolsonaro no Rio

Ouça a matéria aqui!

O jornalista Pedro Duran, da CNN Brasil, foi hostilizado durante o ato de apoio ao presidente Jair Bolsonaro neste domingo (23.maio.2021) no Rio de Janeiro. O profissional foi xingado e chegou a ser escoltado pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro

A ação foi gravada em meio aos apoiadores que acompanhavam o passeio de moto do presidente. Acompanhado do deputado Hélio Lopes (PSL-RJ) e o ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), o presidente passeou por cerca de uma hora pela capital fluminense. Depois, cumprimentou o público aglomerado e discursou rapidamente. Durante sua fala, voltou a sugerir que Tarcísio será candidato a governador em São Paulo no ano que vem..

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello também marcou presença. Nenhuma das autoridades nacionais usava máscara.

O encontro foi convocado por Bolsonaro nas redes sociais mesmo depois de a Superintendência de Vigilância Sanitária do Maranhão o autuar por aglomerações durante visita de dois dias ao Estado.

O evento foi realizado no mesmo fim de semana em que o Ministério da Saúde fez reunião com representantes da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e autoridades municipais para discutir formas de evitar a disseminação da cepa de origem indiana –com maior capacidade de transmissão, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde)– no país. Há 6 casos confirmados no Maranhão. Ainda não há registro de transmissão local.

REPERCUSSÃO

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou nota de repúdio a respeito do caso, dizendo que este caracteriza violação à liberdade de imprensa. Também disse que o presidente Jair Bolsonaro incentiva este tipo de comportamento e que os demais Poderes devem se posicionar. Leia a íntegra abaixo:

“Abraji repudia ataque a jornalista da CNN que cobria manifestação

Neste domingo (23.mai.2021), durante manifestação de apoio ao presidente da República no Rio de Janeiro, o repórter da CNN Pedro Duran foi agredido verbalmente por apoiadores de Jair Bolsonaro. A hostilidade impediu o jornalista de realizar a cobertura do evento. Duran teve de ser escoltado por policiais militares até um carro da emissora, sob gritos de “CNN lixo”.

A intimidação começou quando a imprensa tentava entrevistar o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde. Nesse momento, a militância bolsonarista passou a gritar “mito” e a cercar os repórteres, de modo a impedi-los de cumprir suas atribuições profissionais. Embora a hostilidade tenha sido dirigida a todos os jornalistas, os bolsonaristas filmaram Duran e divulgaram o vídeo em suas redes sociais, apontando o nome do jornalista, que passou a ser vítima de assédio virtual. Um dos divulgadores do vídeo foi o vereador de Niterói Douglas Gomes (PTC-RJ).

Além de Duran, outros profissionais da emissora foram impedidos de realizar a cobertura por militantes favoráveis ao presidente da República, em diferentes locais da manifestação. A hashtag “CNN lixo” figurou entre as mais comentadas do dia no Twitter, evidenciando mobilização contra a empresa. No dia 8.mai.2021, Jair Bolsonaro havia atacado o jornalista da CNN Fernando Molica na mesma rede social, em resposta a críticas do analista sobre a ação da Polícia Civil fluminense que resultou em uma chacina no Morro do Jacarezinho.

A intimidação de repórteres por políticos e militantes ligados a Jair Bolsonaro tem como objetivo impedir a cobertura de fatos de interesse público e, portanto, é uma violação à liberdade de imprensa. Tal comportamento é incentivado pelo presidente da República, que frequentemente propaga teorias conspiratórias, ofensas e discursos estigmatizantes contra jornalistas. A obstrução do trabalho da imprensa é antidemocrática e se espera dos poderes Legislativo e Judiciário uma posição firme em defesa dos direitos humanos e da civilidade na convivência entre cidadãos de diferentes opiniões.

Diretoria da Abraji, 23 de maio de 2021″

A presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Renata Gil, também se manifestou. Ela afirmou que “a liberdade de imprensa é um dos pilares do Estado Democrático de Direito” e que “sua autonomia e independência são condições para a existência do regime democrático“.

Visualizações: 264

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *