Saúde sabia da exclusividade do Butantan em negociar vacina, diz Dimas Covas

Vídeo: Pazuello negociou Coronavac com intermediários pelo triplo do preço
17 de julho de 2021
PF abre investigação sobre suposta milícia digital contra democracia
17 de julho de 2021

Saúde sabia da exclusividade do Butantan em negociar vacina, diz Dimas Covas

Ouça a matéria aqui!

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta 6ª feira (16.jul.2021) que fez vários alertas ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de que só o Instituto Butantan poderia representar a farmacêutica chinesa Sinovac no Brasil para a negociação da CoronaVac, imunizante contra a covid-19.

A informação é do G1. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Covas declarou que desde 2020 o Ministério da Saúde tinha conhecimento da exclusividade do Butantan em comercializar a vacina.

“Mostra que havia de fato, tudo aquilo que foi dito, que havia objetivo mesmo de deixar o Butantan de fora. Tem mesmo um subterrâneo aí muito cruel”, disse ao jornal.

Quando ainda era ministro, Pazuello recebeu um grupo de empresários em seu gabinete com quem negociou a possibilidade de comprar 30 milhões de doses da CoronaVac sem envolvimento do Instituto Butantan. Naquele momento, o governo federal já tinha um acordo com o laboratório em São Paulo (SP) para o fornecimento de até 100 milhões de unidades da vacina desenvolvida pela chinesa SinoVac.

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado obteve um vídeo, gravado em 11 de março, em que o general do Exército apresenta uma comitiva de empresários em visita ao ministério, segundo ele liderada por um homem chamado John.

Pazuello diz que o grupo foi tratar com ele sobre a possibilidade de a pasta adquirir vacinas “numa compra direta com o governo chinês” e sairia de lá “com um memorando de entendimento assinado”. O registro da reunião e a proposta foram revelados pela Folha de S.Paulo.

Segundo a Folha, os intermediadores da compra representariam a empresa World Brands Distribuidora, com sede em Itajaí (SC). Pazuello teria recebido a comitiva fora da agenda oficial. O jornal teve acesso a proposta formal que os empresários teriam apresentado ao ministério naquele dia. Seriam 30 milhões de doses por US$ 28 cada, com depósito de metade do valor total até 2 dias depois da assinatura do contrato.

No acordo firmado com o Butantan, o Ministério da Saúde pagou US$ 10 por dose, quase 3 vezes menos que a suposta oferta feita pelos empresários em março.

Depois que o vídeo veio à tona, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) disse que o fato demonstra “uma verdadeira vergonha nacional”.

“Enquanto trabalhávamos para viabilizar a Coronavac de forma segura e com preço justo para os brasileiros, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em nome do governo Bolsonaro, negava a vacina e superfaturava seu preço nos bastidores. Uma vergonha nacional!”, disse o governador de São Paulo.

Em nota, o Instituto Butantan afirmou se o único representante da SinoVac no Brasil e que não teve acessa à íntegra do vídeo.

“O Instituto Butantan esclarece que não teve acesso ao conteúdo na íntegra do vídeo envolvendo negociações entre o Ministério da Saúde e intermediários sobre aquisição de vacinas e, portanto, não conhece o teor exato da reunião.


Informa, ainda, que é o único representante da SinoVac no Brasil e na América Latina para a comercialização da vacina CoronaVac, fato público e de conhecimento geral”

Visualizações: 50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *