Empresa Precisa, intermediária da Covaxin, cresceu 6.000% no governo Bolsonaro

China alertou que falta de agilidade privou Brasil de insumos médicos
28 de junho de 2021
Covid: RN registra de ocupação de 70% e Grande Natal começa semana com 100 leitos disponíveis
28 de junho de 2021

Empresa Precisa, intermediária da Covaxin, cresceu 6.000% no governo Bolsonaro

Ouça a matéria aqui!

A empresa Precisa, atravessadora na compra da vacina indiana Covaxin, envolta por suspeitas de corrupção no Ministério da Saúde, disparou no governo de Jair Bolsonaro. “A Precisa Medicamentos teve um salto em seus negócios no governo do presidente Jair Bolsonaro. Antes dele, a firma havia assinado apenas um contrato, de R$ 27,4 milhões, para fornecer preservativos femininos ao Ministério da Saúde. Desde 2019, primeiro ano de Bolsonaro, a Precisa fechou ou intermediou acordos que somam R$ 1,67 bilhão. No atual governo, o empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa, também ganhou acesso a ministérios, ao BNDES e à embaixada do Brasil na Índia”, informam Vinícius Valfré, Julia Affonso, em reportagem publicada no Estado de S. Paulo.

“Foi o próprio filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), o responsável por abrir as portas do BNDES ao empresário. Após a revista Veja revelar que o Zero Um intermediou uma reunião de Max, como é conhecido em Brasília, com o presidente do banco público, Gustavo Montezano, o senador admitiu ter ‘amigos em comum’ com o dono da Precisa”, apontam os jornalistas. “Na sexta-feira passada, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou à CPI da Covid no Senado que Bolsonaro atribuiu a Barros ‘os rolos’ envolvendo a compra da vacina Covaxin.” 

Visualizações: 226

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *