Home SaúdeImunização Covid: Mais de 14 milhões estão com 2ª dose atrasada no Brasil, diz Fiocruz

Covid: Mais de 14 milhões estão com 2ª dose atrasada no Brasil, diz Fiocruz

Por AdrianoSantos
0 comentário 521 visualizações

Número dobrou em relação ao levantamento com dados até 15 de setembro

Levantamento da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Bahia divulgado nesta 5ª feira (4.nov.2021) aponta que 14.097.777 pessoas estavam com mais de 15 dias de atraso para a 2ª dose da vacina contra a covid-19 no Brasil até 25 de outubro.

Eis a íntegra do boletim:

O número é o dobro do observado na pesquisa anterior, com dados até 15 de setembro, quando foram registrados cerca de 7 milhões de indivíduos com o imunizante atrasado. Os dados são da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde.

Os pesquisadores apontam uma série de motivos para esse cenário, como falta de estoque de imunizantes, mortalidade, demora para registro e envio dos dados para a base do governo federal, sobrecarga das equipes de saúde e disseminação de notícias falsas sobre a imunização.

É necessária uma análise cuidadosa, por parte dos gestores locais de saúde, para identificar localmente as prováveis causas do atraso. Este diagnóstico será útil para orientar as ações de estímulo à população para completar o esquema vacinal”, alertam.

Eles demonstram preocupação com o aumento do número de atrasados, “pois a proteção efetiva ocorre apenas com a vacinação completa”.

O aumento no atraso da 2ª dose foi observado nas 3 vacinas que requerem mais de uma dose para a proteção. Até 25 de outubro, a quantidade de pessoas com a 2ª dose da AstraZeneca em atraso era de 6.739.56. No caso da CoronaVac, do Instituto Butantan, o número é de 4.800.920. São 2.557.296 com a Pfizer atrasada.

Até 15 de setembro, a taxa nacional de atraso na vacinação da 2ª dose estava em 11%. O maior atraso era da CoronaVac, com uma taxa de 32%. Para a AstraZeneca, era de 15% e para a Pfizer, de 1%.

Eis a íntegra do 1º boletim com os dados até setembro:

A atualização dos dados mostra que cerca de 50% dos atrasos são superiores a 30 dias. Em cerca de 14% dos casos, o atraso é superior a 90 dias depois da data prevista. Segundo o estudo, a observação de atrasos muito longos é “preocupante”.

A análise refere-se apenas aos atrasos de mais de 15 dias por considerar o tempo de registro das informações na Rede Nacional de Dados em Saúde.

Os cientistas também entendem que um período curto de atraso pode ser motivado pela dificuldade de agendamento e indisponibilidade das pessoas. Nesses casos, eles ponderam que o risco individual não é elevado.

É importante adotar estratégias para aumentar a adesão ao esquema vacinal completo, uma vez que os estudos sobre efetividade de vacinação demonstram que a proteção contra infecção, hospitalização e morte é significativamente maior no grupo com esquema vacinal completo quando comparado com o grupo com apenas uma dose da vacina. Também foi mostrado que a proteção contra as novas variantes do Sars-CoV-2 é mais efetiva somente após duas doses da vacina”, alertam.

Segundo o painel do governo federal que monitora a vacinação, as vacinas da AstraZeneca/Fiocruz são as mais aplicadas no país (40,1% das doses). Em 2º lugar está a CoronaVac (29,3%); em 3º, a Pfizer (28,8%) e em 4º, a vacina de dose única da Janssen (1,7%).

O Brasil tinha 75% da população vacinada com ao menos uma dose e 55,2% totalmente vacinada com o 1º ciclo de vacinação completo (2ª dose ou dose única) até 18h37 desta 5ª feira (4.nov). Os dados são da plataforma coronavirusbra1.

Acesse aqui o painel de atraso da 2ª dose de vacinas contra a covid-19 mantido pela Fiocruz.

Related Articles

Deixe um comentário