Blog - OBnews

Jornalismo com credibilidade e responsabilidade de Ouro Branco para o mundo!

Categoria: Declaração

Controlador-geral do RN afirma ter esperança de receber dinheiro pago pelos respiradores ao Consórcio Nordeste

 9 Visualizações

Pedro Lopes admite que Consórcio foi vítima de golpe e que governo do Estado tomou as providências para não permanecer no prejuízo

Um dos temas mais frequentes no meio político do Rio Grande do Norte é a compra dos respiradores realizada pelo Governo do Estado via Consórcio Nordeste. O prejuízo de quase R$ 5 milhões aos cofres públicos é avaliado atualmente como uma “operação de risco” e fracassada pelo Controlador Geral do RN, Pedro Lopes. Ele reconhece que a gestão pública foi enganada pela empresa que até hoje não entregou os equipamentos contratados, nem realizou a devolução do dinheiro repassado.

Contudo, o controlador pondera que o risco nasceu da necessidade de abrir leitos Covid-19 em meio ao avanço do vírus no estado, no mês de abril de 2020. Em entrevista ao ‘Agora Entrevista’ de quarta-feira (26), Pedro Lopes comentou que a compra coletiva foi realizada amparada na chamada lei Covid (Lei Nº 13.979), que autorizou a análise de risco durante a execução do contrário, e não previamente, como acontece normalmente. A regra visava agilizar processos. O cenário de pandemia foi responsável pela mudança temporária na legislação, que não existe mais.

“Com o mundo descobrindo o vírus e, por isso, equipando hospitais, o espírito da legislação era: abra os leitos, mesmo que isso seja mais caro. A operação do Consórcio Nordeste foi uma operação de risco? Sim. A operação fracassou. Toda operação está sujeita a risco, mas o governo trabalhou para garantir a proteção da sociedade. Infelizmente, fomos enganados por um grupo empresarial. Lamentável, mas aconteceu”, esclarece o controlador, afirmando que a compra de 30 respiradores via consórcio visava auxiliar na estruturação de cerca de 600 leitos que deveriam ser abertos para atender a população durante o pico da pandemia, previsto, à época, para os meses de junho e julho de 2020.

Pedro Lopes revela que tem a “esperança” do Governo do Estado “recuperar esse dinheiro”; do recurso financeiro “voltar o mais rápido” aos cofres do Estado, porém não há previsão para isso acontecer. Ele conta que há duas ações jurídicas tramitando com o objetivo de recuperar os quase 48 milhões empregados pelo consórcio e responsabilizar os envolvidos. Uma tramita na Polícia Civil da Bahia, e outra, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em segredo de Justiça. O Ministério Público também foi acionado, e três empresários envolvidos na negociação foram presos temporariamente, de acordo com o contador.

O controlador comenta que a governadora Fátima Bezerra (PT) pediu a rescisão do contrato e a devolução do dinheiro, em virtude do atraso na entrega dos respiradores. Com a escassez de respiradores, os estados do Nordeste tiveram 48 horas para repassar o pagamento à empresa, segundo relato de Pedro Lopes. A contratada chegou a oferecer equipamentos com qualidade inferior ao negociado, o que não foi aceito pelos governadores e motivou a ruptura do acordo, em maio de 2020.

Pedro Lopes isenta, em partes, a responsabilidade da gestão Fátima na compra frustrada ao detalhar que a Bahia, enquanto estado líder do consórcio, é responsável pelos ritos administrativos. Aos demais estados da região, como o RN, cabe a adesão aos termos apresentados, de acordo com ele. Nesse sentido, o contador assegura que “nenhum servidor do RN participou do processo administrativo para essa compra”.

CPI da Covid-19

A compra dos respiradores é um dos oito contratos investigados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, instaurada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN). O instrumento visa apurar a atuação do governo Fátima na pandemia, analisando negociações. A investigação é presidida pelo deputado estadual Kelps Lima (SDD), a quem Pedro Lopes fez críticas.

“Desde o começo, o governo vem afirmando que não há necessidade de constituir uma CPI porque não existe nenhum elemento para fazer uma investigação. O parlamento tem todo o direito de investigar a despesa pública, os contratos públicos, mas ele tem instrumentos próprios para isso, através de suas comissões. A CPI da ALRN é somente um espaço de palanque político do presidente (Kelps Lima), que agora deixou claro que pretende ser deputado federal”, considera.

O contador destaca nos oito contratos analisados “nada foi trago de novo”. Ele diz que, com a adoção de proposta por menor preço nas negociações, foi gerada uma economia de R$ 20 milhões aos cofres do estado. De acordo com Pedro, o preço médio dos contratos atinge R$ 54 milhões, no Brasil, enquanto o RN aplicou R$ 34 milhões de dinheiro público neles. Somado a isso, Pedro Lopes garante que não há “corrupção”, “incompetência” e “improbidade” no Governo do Estado que justifique a CPI na ALRN.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AdrianoSantos

AdrianoSantos

As pessoas e os indivíduos têm o direito de adquirir um quadro objetivo da realidade por meio de informação precisa e compreensiva como também de se expressarem livremente pelas várias mídias de cultura e comunicação.

Siga - nos nos

AJUDE A MANTER O BLOG ONLINE

Escanear o QR Code! Para Colabar Para Doar Para Ajudar!

Publicidade Parceiros

Previous
Next

Últimas Notícias

Quer receber as últimas notícias e ficar bem informado?

Preencha com seu e-mail ao lado e vamos te enviar todas as últimas notícias de Ouro Branco, RN, Brasil e do Mundo!

Blog - OBnews

Jornalismo com credibilidade e responsabilidade de Ouro Branco para o mundo!

Copyright 2022 © Todos os Direitos Reservados | por Adriano Santos