Brasil tem 14,4 milhões desempregados e taxa de desocupação de 14,1%

Nunes Marques permite que motoboy que sacou R$ 4,7 milhões não vá à CPI
31 de agosto de 2021
Ex-secretário da Copa nega irregularidades ou sobrepreços no contrato da Arena das Dunas
1 de setembro de 2021

Brasil tem 14,4 milhões desempregados e taxa de desocupação de 14,1%

Ouça a matéria aqui!

O número de pessoas que procuravam emprego somou 14,4 milhões de pessoas no trimestre encerrado em junho, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta 3ª feira (31.ago.2021). A taxa de desocupação foi de 14,1%.

A taxa de desocupação do trimestre de abril a junho de 2021 recuou 0,6 ponto percentual em relação ao trimestre de janeiro a março de 2021, quando estava em 14,7% e subiu 0,8 p.p. frente ao mesmo trimestre de 2020, quando era de 13,3%.

A população ocupada somou 87,8 milhões de pessoas, 2,1 milhões a mais que o trimestre anterior (alta de 2,5%). Na comparação com o mesmo trimestre de 2020, são 4,4 milhões de pessoas a mais.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar), estimado em 49,6%, cresceu 1,2 p.p. frente ao trimestre móvel anterior (48,4%) e 1,6 ponto percentual ante igual trimestre de 2020 (47,9%).

A população subutilizada (32,2 milhões de pessoas) diminuiu 3,0% (menos 993 mil pessoas) frente ao trimestre anterior (33,2 milhões) e ficou estável na comparação anual (31,9 milhões).

O número de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas foi de 7,5 milhões de pessoas, recorde da série histórica. A quantidade representa alta de 7,3% frente ao trimestre anterior, com 511 mil pessoas a mais, e de 34,4% em relação ao mesmo trimestre de 2020, com 1,9 milhão de pessoas a mais.

São 74,9 milhões de pessoas fora da força de trabalho, queda de 2,1% (menos 1,6 milhão de pessoas) na comparação com o trimestre anterior e de 3,7% (menos 2,9 milhões de pessoas) na comparação anual.

Já os desalentados (aqueles que desistiram de procurar empregos), somam 5,6 milhões de pessoas. O número representa uma queda de 6,5% em relação trimestre anterior (menos 388 mil pessoas) e ficou estável no ano.

O número de trabalhadores por conta própria (24,8 milhões de pessoas) é recorde da série histórica, com altas de 4,2% (mais 1,0 milhão de pessoas) ante o trimestre anterior e 14,7% (3,2 milhões de pessoas) na comparação anual.

Visualizações: 1395

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *