Brasil perde fôlego e PIB recua 0,1% no 2º trimestre

Anvisa aprova inclusão de nova fábrica da vacina da Pfizer
1 de setembro de 2021
Brasil tem 29,4% da população totalmente vacinada contra a covid
1 de setembro de 2021

Brasil perde fôlego e PIB recua 0,1% no 2º trimestre

Colheita de milho na região do PAD-DF e Cooperativa do DF (COOPA-DF) Sérgio Lima/Poder360 15.05.2020

Ouça a matéria aqui!

O PIB (Produto Interno Bruto), soma dos bens e serviços produzidos no país, recuou 0,1% no 2º trimestre deste ano, na comparação com os 3 meses imediatamente anteriores. Esse resultado indica estabilidade. Em valores correntes, a economia brasileira movimentou R$ 2,1 trilhões no período.

O resultado surpreendeu negativamente as estimativas do mercado financeiro. As projeções dos economistas procurados pelo Blog indicavam que o Brasil teria crescido de 0,1% a 0,6% no período.

Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (1.set.2021) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o instituto, a economia brasileira avançou 6,4% no 1º semestre. Nos últimos 4 trimestres, acumula alta de 1,8%, e na comparação com o 2º trimestre do ano passado, cresceu 12,4%. O PIB continua no patamar do fim de 2019 ao início de 2020, período pré-pandemia. Porém, está 3,2% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica na série histórica, alcançado no 1º trimestre de 2014.

Leia o crescimento por setor:

  • agropecuária: -2,8%
  • indústria -0,2%
  • serviços: 0,7%

“Uma coisa acabou compensando a outra. A agropecuária ficou negativa porque a safra do café entrou no cálculo. Isso teve um peso importante no segundo trimestre. A safra do café está na bienalidade negativa, que resulta numa retração expressiva da produção”, explica a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

A atividade industrial também recuou devido às quedas de 2,2% nas indústrias de transformação e de 0,9% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos. Essas quedas compensaram a alta de 5,3% nas indústrias extrativas e de 2,7% na construção.

“A indústria de transformação é influenciada pelos efeitos da falta de insumos nas cadeias produtivas, como é o caso da indústria automotiva, que lida com a falta de componentes eletrônicos. É uma atividade que não está conseguindo atender a demanda. Já na atividade de energia elétrica houve aumento no custo de produção por conta da crise hídrica que fez aumentar o uso das termelétricas”, disse Rebeca.

Nos serviços, os resultados positivos vieram de quase todas as atividades: informação e comunicação (5,6%), outras atividades de serviços (2,1%), comércio (0,5%), atividades imobiliárias (0,4%), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,3%) e transporte, armazenagem e correio (0,1%). Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,0%) ficou estável.

“Quase todos os componentes dos serviços cresceram, com destaque para o comércio e transporte na taxa interanual, que foram as atividades mais afetadas pela pandemia e que estão se recuperando mais agora”, afirmou a pesquisadora.

38º no ranking global

O Brasil ficou nessa colocação no ranking de 48 países da Austin Rating de expansão do PIB, abaixo de nações como China, Itália, França, Japão e Reino Unido.

PROJEÇÃO PARA 2021

O PIB brasileiro recuou 4,1% em 2020, a maior já registrada desde o início da série histórica, em 1996. Para 2021, o mercado financeiro estima que o Brasil crescerá 5,22%. O Ministério da Economia espera alta de 5,3%.

ENTENDA O PIB

O Produto Interno Bruto é a soma de tudo o que o país produziu em 1 determinado período. Esse é 1 dos indicadores mais importantes do desempenho de uma economia.

O resultado oficial é calculado de duas formas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística): pela ótica da oferta, que considera tudo o que foi produzido no país, e pela ótica da demanda, que considera tudo o que foi consumido.

Pelo lado da oferta, são considerados:

  • a indústria;
  • os serviços;
  • a agropecuária

Já pelo lado da demanda, são considerados:

  • o consumo das famílias;
  • o consumo do governo;
  • os investimentos;
  • as exportações menos as importações.

O resultado é apresentado trimestralmente pelo IBGE, que tem até 90 dias após o fechamento de 1 período para fazer a divulgação. Os dados consolidados, entretanto, ficam prontos só depois de 2 anos.

Visualizações: 100

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *