Bolsonaro “vai perder votos” se paralisar reformas, diz Guedes

Com escassez de medicamento, Índia já registra quase 9 mil casos de fungo
maio 24, 2021
Exército analisa 3 saídas para Pazuello após participação em ato
maio 24, 2021

Bolsonaro “vai perder votos” se paralisar reformas, diz Guedes

Ouça a matéria aqui!

De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, adiar reformas econômicas não ajudaria o presidente Jair Bolsonaro a ter vantagens na corrida eleitoral de 2022.

É claro que tem gente dentro do governo que defende esse ponto de vista —a turma que diz ‘vamos parar a reforma, e a gente vai ganhar voto’”, disse Guedes em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo publicada nesta 2ª feira (24.mai.2021).

Agora, vai parar tudo, vai queimar tudo? Não. (…) A opinião pública brasileira está madura. Quer a reforma administrativa, como queria a reforma da Previdência, como quer a reforma tributária. Se você parar isso para tentar ganhar uma eleição, vai perder mais voto do que ganhar.

O ministro analisou que o governo “jogou na defesa” até agora, controlando despesas, e é hora de “ir para o ataque”.

Agora vem a eleição? Nós vamos para o ataque. Vai ter Bolsa Família melhorado, BIP [Bônus de Inclusão Produtiva], o BIQ [Bônus de Incentivo à Qualificação], vai ter uma porção de coisa boa para vocês baterem palma. Tudo certinho, feito com seriedade, sem furar teto, sem confusão”, afirmou.

O ministro afirmou que, quando assumiu a Economia, existia a percepção de que sua equipe não conseguiria realizar as reformas propostas.

O centrão acabou vindo para cá, deu sustentação parlamentar. Foi só eleger os presidentes da Câmara e do Senado que veio a aprovação de várias medidas —o Banco Central independente, novo marco fiscal, saneamento, gás natural, Correios, Eletrobras, Lei das Startups, Lei de Falências. Tudo começou a andar, está acelerando o ritmo de reformas.

Guedes disse que, ao invés de paralisar a agenda de reformas, o governo vai surpreender em 2021.

Tudo que a gente fez no ano passado estamos repetindo em doses mais focalizadas. A economia vai voltar a crescer. As reformas estão andando. A reforma administrativa está um empurra-empurra, mas nós vamos seguir. Reforma tributária, vamos tentar fatiada. E vamos acelerar as privatizações”, declarou.

Questionado se, depois de sucessivas mudanças na equipe econômica,  pensa que Bolsonaro tolheu a agenda liberal, Guedes respondeu que o presidente tem “instinto político enorme” e, aos poucos foi se conscientizando de como a política é feita no Planalto.

Então, é claro que houve uma redução de aderência ao plano liberal. Tanto que eu falei, abertamente, que o grau de adesão do presidente à agenda econômica tinha caído de 99% para 65%”, disse o ministro.

Segundo Guedes, ele foi aconselhado por amigos a abandonar o governo, mas que vê um custo-benefício em permanecer.

Se saio porque estão pedindo para substituir um presidente de estatal por inabilidade política, será que teria acontecido a independência do BC, a aprovação do marco do gás, Lei de Falências, saneamento, privatização da Eletrobras? Tem 6 ou 7 ganhos expressivos.

PANDEMIA E APOIOS SOCIAIS

Guedes afirmou que a pandemia da covid-19 mostrou que “que protege a população é uma classe política atenta, que trabalha seus orçamentos. Não é a indexação, que é um fóssil do passado de hiperinflação”.

Questionado sobre o auxílio emergencial, disse que a proposta inicial de R$ 200 mensais foi feita para que o benefício durasse mais. O Congresso aumentou o valor para R$ 500 e, posteriormente, Bolsonaro decidiu por R$ 600.

Voltou agora em R$ 250, descendo, porque isso é um programa emergencial para a doença, não é um programa sustentável”, falou. O valor de R$ 250 é uma média. As parcelas da nova rodada do auxílio emergencial variam de acordo com a composição familiar e vão de R$ 150 a R$ 375.

Guedes disse que “se você quer reduzir a pobreza, tem que desenhar uma política social. O governo deve fazer um programa forte, robusto e sustentável, dentro do teto”.

O ministro afirmou que Bolsonaro “agora percebe que o programa é importante”. Em agosto de 2020, Bolsonaro barrou uma versão do projeto de renda mínima que substituiria o Bolsa Família, chamado de Renda Brasil, porque ela prejudicaria a população de baixa renda.

A proposta que a equipe econômica apareceu para mim não será enviada ao Parlamento, não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos”, declarou o presidente na época.

O presidente não quer tirar do pobre para dar ao paupérrimo. De acordo. Então, vamos devolver as estatais ao povo brasileiro. Cada estatal vendida dá ganho de capital para o povo. E se não vender? Pega um pedaço dos dividendos e coloca para eles. Cria um fundo de distribuição de riqueza, capitalismo popular. Isso está formulado e pronto”, falou Guedes.

Guedes negou que a Economia tenha minimizado a pandemia ou a aproximação de uma 2ª onda no Brasil.

Ocorre que o Mandetta [Luiz Henrique Mandetta, que atuou como ministro da Saúde até 16 de abril de 2020] nunca falou em 2ª onda, jamais falou em vacina, nunca falou em testagem em massa”, disse Guedes.

O Teich [Nelson Teich, no cargo até 15 de maio de 2020] foi o 1º a falar em vacina e teste. Pazuello [Eduardo Pazuello, ministro da Saúde daté 23 de março de 2021] passou a fazer a logística de entrega.

Guedes afirmou que as coisas seguiram o “timing da política”.

Nós mandamos o Orçamento em agosto do ano passado, e a política não aprovou (…) Por que o auxílio emergencial só foi renovado depois que a eleição da Câmara foi resolvida? É a política. É culpa dos políticos? Não, ninguém tem culpa. É assim”, disse.

Eu nunca participei de uma reunião que alguém dissesse que faltou recurso, ao contrário. Eu só posso falar das reuniões de que eu participei. Nunca ouvi alguém falar que está faltando dinheiro. Era orientação do presidente, dinheiro para a saúde e para os informais.

Sobre a 2ª onda, Guedes foi questionado se faltou ouvir os especialistas que previam a alta de casos no Brasil.

Se os especialistas estavam falando isso, por que os governadores desativaram os hospitais? São criminosos e genocidas ou estavam achando que a onda estava indo embora? Se isso é verdade, por que o Congresso brasileiro deixou acontecer as eleições de outubro?”, declarou.

Visualizações: 120

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *