Bolsonaro é criticado por “gestão criminosa” pelo Parlamento Europeu

Secretaria de Saúde do RN relata dificuldade para compra de kits intubação: ‘a gente chegou realmente ao limite’
abril 29, 2021
Facebook e Instagram marcam vídeo postado no perfil de Bolsonaro como ‘informação falsa’
abril 29, 2021

Bolsonaro é criticado por “gestão criminosa” pelo Parlamento Europeu

Ouça a matéria aqui!

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, virou alvo de críticas no Parlamento Europeu nesta 5ª feira (29.abr) durante debate sobre a pandemia de covid-19 na América Latina e violações dos direitos humanos.

Ele foi apontado por deputados como o principal responsável pela tragédia no país. Durante o debate, foi criticado o “negacionismo” e a “necropolítica” do mandatário brasileiro.

Deputados que participaram da conversa pediram a UE (União Europeia) para aumentar a cooperação com a América Latina em geral, não apenas na compra e distribuição de vacinas, mas também no combate à desinformação sobre o vírus.

“Com a gestão criminosa de Bolsonaro, ele em vez de fazer guerra ao vírus faz guerra contra a ciência”, acusou o deputado espanhol de esquerda Miguel Urbán Crespo. Para o deputado, Bolsonaro faz “necropolítica e lesa humanidade”.

A deputada Maria Manuel Leitão, do Partido Socialista português, disse que a pandemia castigou mais a América Latina, que tem 8,4% da população mundial e ainda assim responde por 25% das mortes totais causadas pela pandemia.

“Precisamos ajudar na compra, produção e distribuição de vacinas e no combate à desinformação”, afirmou.

A deputada alemã Anna Cavazzani considerou que a tragédia sanitária do Brasil poderia ter sido evitada, e disse que Bolsonaro tem estratégia deliberada. Afirmou que há uma diferença entre tentar combater o vírus e se recusar a fazer isso.

“Bolsonaro, desde o começo, recusou-se a tomar medidas com base científica, encorajou manifestações de massa, questionou a vacinação, foi à Justiça contra governadores que decretaram medidas de confinamento, e quase 400 mil pessoas estão mortas”, acusou.

Os legisladores conservadores que participaram do debate também apresentaram críticas, mas sem mencionar o nome do presidente brasileiro.

O espanhol Leopoldo López afirmou que é necessário “destacar a negação da gravidade por parte dos governantes de alguns dos países com maior população”.

O deputado espanhol Jordi Canas sugeriu cooperação em vez de querer dar lições à América Latina, no que foi seguido por parlamentares como Joachim Stanislaw Brudzinski, da Polônia, José Manuel Fernandes, de Portugal, Leopoldo Gil, da Espanha, e Paulo Rangel, de Portugal.

Visualizações: 49

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *