Sem provas, Bolsonaro cita envolvimento de governos anteriores com pedofilia

Os 6 tipos de mensagens enganosas mais comuns contra as vacinas de covid-19 nas redes sociais e o que diz a ciência sobre elas
maio 18, 2021
Tribunal Regional Eleitoral do Paraná ironiza voto impresso no TikTok
maio 18, 2021

Sem provas, Bolsonaro cita envolvimento de governos anteriores com pedofilia

Ouça a matéria aqui!

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 2ª feira (17.mai.2021) que, em governo anteriores, o Ministério dos Direitos Humanos era “voltado para doutrinação e defesa das priores práticas praticadas pela esquerda no Brasil e no mundo”. Sem dar detalhes ou apresentar provas, o presidente também disse que no passado “tinha gente do próprio governo envolvida com pedofilia”.

O chefe do Executivo participou nesta tarde do lançamento da campanha do governo federal de conscientização do mês de combate a exploração sexual de crianças e adolescentes, o maio laranja.

Esse ministério no passado servia o quê e a quem? Não servia à população e nem servia à questão dos direitos humanos. Era um ministério voltado basicamente para uma doutrinação e defesa das priores práticas praticadas pela esquerda no Brasil e no mundo”, disse Bolsonaro.

Bolsonaro afirmou que o PNDH-3 (Programa Nacional de Direitos Humanos), lançado em dezembro de 2009, no governo Lula,  tinha “itens inacreditáveis“. Ele também criticou o portal “Humaniza Redes“, canal do governo lançado em 2015, no governo de Dilma Rousseff, para ser uma ouvidoria on-line para denúncias de violação dos direitos humanos.

O que dizia esse site Humaniza Redes no tocante a pedofilia, era claro, era explicito, dizia o seguinte: caso você encontrasse um adulto abusando sexualmente de uma pessoa, de uma criança, não interessa a idade […] essa pessoa deve ser levada a um hospital para ser submetido a um laudo. Caso ela sofresse transtorno, esse adulto deveria ser levado para um hospital e não para uma cadeia”, declarou.

“Ou seja, era a proteção à pedofilia, era o estímulo a pedofilia até porque tinha gente na época do próprio governo envolvido em pedofilia”, afirmou. A defesa contra a suposta doutrinação de governos anteriores foi um dos motes da campanha eleitoral de Bolsonaro em 2018.

Pressionado pela CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) da Covid no Senado, o presidente tem feito nos últimos dias acenos a suas bases eleitorais. Ele compareceu no ultimo sábados (15.mai) a ato organizado por evangélicos e ruralistas em Brasília.

No evento desta 2ª feira, Bolsonaro e a ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, assinaram decreto que institui o programa nacional de enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes. A medida será publicada na edição desta 3ª feira (18.mai).

Também participaram do evento desta tarde, entre outras autoridades, os ministros João Roma, da Cidadania, e Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, além do diretor-geral da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Silvinei Vasques.

Campanha

O governo lançou nesta 2ª feira a campanha “Quebre o silêncio, denuncie”. A divulgação faz parte das ações alusivas ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, comemorado nesta 3ª feira (18.mai).

A cada uma hora a gente tem no Brasil, pelo disque 100, 2,2 casos de violência sexual [contra crianças e adolescentes]. Só no disque 100. Conseguem imaginar os casos que não são notificados?”, questionou a Damares Alves.

Em seu discurso, a ministra afirmou que as denúncias diminuíram durante a pandemia da covid-19. “As crianças estavam em casa e não na escola e as maiores denúncias vêm da escola” disse. Maurício Cunha, secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, reforçou que as denúncias diminuíram em 2020 e afirmou que a maior parte das violências ocorre dentro do domicílio da criança.

Visualizações: 84

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *