Análise: Flamengo faz testes, descansa peças e carimba título protocolar da Taça Guanabara

Programa de Michelle Bolsonaro, Pátria Voluntária gasta R$ 9,3 milhões em publicidade
abril 25, 2021
Sancionada lei que torna essencial atividades físicas em academias no RN
abril 25, 2021

Análise: Flamengo faz testes, descansa peças e carimba título protocolar da Taça Guanabara

Ouça a matéria aqui!

Uma vitória protocolar, uma conquista esperada e um Flamengo que encarou o Volta Redonda mais preocupado em testar alternativas para o decorrer da temporada do que em dar peso a um troféu tradicional, mas que ficou patamares abaixo do que esse time ambiciona.

O time misto com opções improváveis deu, desde o início, o tom do que Rogério Ceni pensava para o duelo com o Voltaço. Claro que carimbar o título era importante, mas não mais do que testar Gabigol e Pedro juntos, e Willian Arão novamente na cabeça da área. E, a julgar pelo desempenho da noite de sábado no Maracanã, o 2 a 1 mostrou que a formação que levou o time ao octacampeonato brasileiro parece render mais.

Flamengo x Volta Redonda

  • Posse de bola: 62% x 38%
  • Finalizações: 17 x 8
  • Finalizações no gol: 5 x 2
  • Escanteios: 10 x 4
  • Faltas cometidas: 12 x 21

Por mais que seja necessário pontuar que o time que iniciou a partida praticamente não teve tempo para treinar, é preciso dizer também que Gabriel e Pedro tiveram dificuldades de encontrar espaços na aglomeração provocada pela defesa do Volta Redonda dentro da área. Já Willian Arão até foi efetivo na saída de bola, mas deixou a impressão de que vinha sendo mais útil no primeiro passe, na primeira ação, e no perde/recupera da intermediária ofensiva.

O Flamengo jogou praticamente os 90 minutos no campo de ataque, mas nem sempre castigou a meta de Andrey Ventura. O primeiro tempo foi marcado por um Voltaço que fechava bem os espaços e dava liberdade para Michael. O time de Rogério Ceni percebeu isso e abusou das jogadas pela esquerda. Nem sempre deu certo, só que a insistência foi premiada com o gol.

O time do Sul do estado tinha uma estratégia bem clara: usar da velocidade de Alef Manga para contragolpear e das bolas paradas para tentar levar perigo. A primeira parte deu pouco certo. Renê muito bem postado conteve as tentativas do atacante e reduziu espaços. Já a segunda funcionou no gol de empate.

Bruno Barra aproveitou sobra de bate e rebate para empatar no fim do primeiro tempo. Foi o segundo gol de cobrança de escanteio consecutivo sofrido pelo Flamengo, o que deixa o sinal de alerta.

O roteiro do segundo tempo foi idêntico ao do primeiro. A diferença foi que o time rubro-negro buscou maior repertório em ações pelo meio. A superlotação de defensores do Volta Redonda seguia sendo um problema, até que Vitinho acertou chute de fora da área para decidir a Taça GB.

Daí para frente, Rogério Ceni colocou os mais experientes em campo, quebrou o ritmo da partida, poupou peças para enfrentar o Unión la Calera, pela Libertadores. O Flamengo venceu, experimentou e fez o que dele se esperava na Taça Guanabara. Tudo em ritmo de treino.

Visualizações: 50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *