Blog - OBnews

Jornalismo com credibilidade e responsabilidade de Ouro Branco para o mundo!

Categoria: Crescimento

2022: Brasil terá crescimento baixo em relação aos seus pares

 18 Visualizações

Projeções apontam que a economia do país crescerá até 1,5% em 2022 frente ao ano anterior, muito abaixo dos maiores países do globo

O Brasil deve crescer menos que os maiores países do globo no próximo ano, impactado pelo aumento de juros que visa reduzir a aceleração dos preços em meio a pandemia.

Projeções apontam que o país terá uma alta de até 1,5% no PIB (Produto Interno Bruto) frente a 2021, ano de forte recuperação, com crescimento acima de 4,5%. A alta deste ano é frente ao tombo de 4,1%. A do próximo, se for positiva, é sobre uma forte base de crescimento.

Mas especialistas ouvidos pelo Blog apontam que o Brasil ainda está aquém de seus pares, que devem continuar aumentando suas economias fortemente no próximo ano.

O Fundo Monetário Internacional estima alta de 1,5% para a economia brasileira em 2022. Os prognósticos da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) são de um crescimento de 1,4%. A consultoria PwC vê 1,5%. A agência de classificação de risco Fitch Ratings é mais pessimista: apenas 0,5%.

A situação econômica brasileira começou a se deteriorar (novamente) em julho. Foi quando os números de inflação apontavam para um avanço dos preços maior do que o esperado.

E o governo ensaiava para uma eventual mudança no teto de gastos (regra fiscal que evita o governo gastar mais do que o Orçamento atualizado pela inflação).

O verdadeiro debacle sobre o futuro do país veio no 7 de Setembro, quando os discursos do presidente da República resultaram em uma alta tensão com os Poderes (STF e o Congresso).

De lá pra cá, o país viu suas empresas perderem valor de mercado bem mais do que até o próprio patrimônio delas. A Petrobras, por exemplo, tem dia que o petróleo sobe… e a ação dela cai.

A tensão com os Poderes diminui. Mas haverá eleições. Toda dinâmica do governo pode mudar em poucos meses. Essa incerteza trava investimentos. Empresários adiam planos para o cenário ficar mais claro. As famílias apertam os cintos em suas contas mensais.

Para 2022, a projeção para o crescimento brasileiro foi revisada para baixo por causa da elevação da inflação sobre o poder de compra das famílias. O IPCA-15, que mede a inflação no país, acumula avanço de 10,4% em 12 meses.

O aperto na política monetária, ou seja, o Banco Central tendo que subir a taxa básica de juros, a Selic, tem sido maior do que o esperado e deverá acarretar consequências negativas para a atividade econômica no próximo ano.

O diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo de Castro Souza Júnior, avalia que o país terá uma demanda sustentada, em parte, pelo pagamento do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, de R$ 400 por mês. “Só a redução da fila de espera do programa tem um impacto positivo”, afirmou.

Outra ajuda ao crescimento econômico, segundo o especialista, será o aumento dos investimentos em infraestrutura. Muitos governos estaduais estão com suas contas no azul e poderão gastar mais no ano eleitoral. Concessões, programas de parceria público-privada e privatizações estão no cardápio que poderá sustentar o PIB enquanto o Banco Central pressiona o consumo para baixo.

“A gente tem esse lado positivo. Mas temos um nível de investimento muito baixo“, afirmou José Ronaldo.

Para 2022, a projeção para o crescimento do Ipea está em 1,1%. É maior do que esperavam analistas do mercado financeiro, de alta de apenas 0,5%.

Para o cenário global, a OCDE se diz “cautelosamente otimista”. Espera-se um crescimento mundial de 4,5% para 2022. O órgão projeta para a zona do euro avanço de 4,3%. Os Estados Unidos devem saltar 3,7%, segundo as projeções.

Do mesmo modo, a China crescerá neste ano robustos 8,1%. Para 2022, a expectativa é que o gigante asiático aumente seu PIB em 5,1%.

Países emergentes, como México, devem subir acima de 2,8%. A Turquia, acima de 3%. A Indonésia, mais de 5%.

Entre o G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo, a Índia deverá ter o maior avanço, na casa de 8%. O Brasil deve ter o menor crescimento da turma.

Bruno Porto, sócio da empresa de consultoria e auditoria PwC, disse que o país está crescendo muito pouco se comparado com a sua necessidade e potencial.

Porto falou que o Brasil tem muitos deveres de casa para fazer. Se fizer reformas fiscais, criar consensos e  melhorar o ambiente de negócios, o investidor externo olharia mais para o país.

“O Brasil tem a 6ª maior população do mundo, 213 milhões de habitantes. Se acertar os ponteiros, o país decola. A gente não realizou o potencial. Quando a gente fala de alta de 4,5% a 5% em 2021 é pouco. Quando a gente fala de alta de 1,5% em 2022, é pouco também.”

Posts Relacionados

No Content Available

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AdrianoSantos

AdrianoSantos

As pessoas e os indivíduos têm o direito de adquirir um quadro objetivo da realidade por meio de informação precisa e compreensiva como também de se expressarem livremente pelas várias mídias de cultura e comunicação.

Siga - nos nos

AJUDE A MANTER O BLOG ONLINE

Escanear o QR Code! Para Colabar Para Doar Para Ajudar!

Publicidade Parceiros

Previous
Next

Últimas Notícias

Quer receber as últimas notícias e ficar bem informado?

Preencha com seu e-mail ao lado e vamos te enviar todas as últimas notícias de Ouro Branco, RN, Brasil e do Mundo!

Blog - OBnews

Jornalismo com credibilidade e responsabilidade de Ouro Branco para o mundo!

Copyright 2022 © Todos os Direitos Reservados | por Adriano Santos